#Palestra: Cosmovisão Cristã

Apresenta, de forma introdutória, o estudo da cosmovisão cristã, abordando sua definição, elementos característicos e as principais cosmovisões existentes. Enfatiza a importância de se compreender o Cristianismo como uma visão de mundo abrangente, seus pressupostos básicos e o antagonismo em relação às cosmovisões não cristãs.

Anúncios

Afinal, por que motivo Silas Malafaia saiu da CGADB?

Silas Mafalaia anunciou sua saída da CGADB. Quanto a isso, nada tenho a dizer, afinal, segundo nossa Constituição Federal “ninguém poderá ser compelido a associar-se ou a permanecer associado” (art. 5º, XX).

O que causa estranheza (e sobre isso posso comentar) é a incongruência nas motivações  implícitas e explícitas apresentadas por Malafaia.  

Por um lado, afirmou que Deus tinha uma “nova visão muito grande” para o seu ministério, que não poderia se concretizar na CGADB.

Por outro, dá a entender claramente que estaria se retirando em razão de divergências e problemas “de deixar o cabelo arripiado (sic)” na Convenção. E que Deus não o talhou para ficar “amarrado e travado, brigando em plenário de convenção o tempo todo por assuntos que não levam a igreja a nada; que não muda nada na igreja; apenas encontros para política eclesiástica”. 

E para acabar ele cita uma frase do (guru) Mike Murdock: “O seu futuro é decidido pelo que você está disposto a mudar”.

Gostaria sinceramente de entender: Silas Malafaia desligou-se da CGADB por uma grande visão de Deus ou por uma visão pessoal, ao perceber que as “amarras” e os “problemas” da Convenção poderiam prejudicar o seu mega projeto eclesiástico que mudará o Brasil?

Repito. Cada pessoa se liga ou se retira de determinada entidade na hora em que ela bem entender. Vivemos em um país livre.

Entretanto, o que não se concebe é a tentativa de justificar uma decisão pessoal como sendo algo determinado por Deus.

Acharia justo o seu desligamento por critérios pessoais. Assim como acharia mais justo ainda uma decisão feita dentro da vontade de Deus. Todavia, o que não se aceita é tomar uma decisão pessoal e justificá-la como sendo o propósito divino, segundo uma “visão celestial”.

A Lei da Mordaça será votada nesta quarta-feira, 24/10/2007

A Lei da Mordaça será votada nesta quarta-feira, 24/10/2007

https://i2.wp.com/www.idelberavelar.com/post-images/aecio.jpg

O Projeto de Lei que criminaliza a homofobia, PLC 122/06, será apreciado na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa – CDH do Senado – no próximo dia 24/10/2007, quarta-feira.

O projeto, dentre outras coisas, institui no Brasil o delito de opinião. Ainda havia outras três audiências públicas marcadas para a análise do projeto, mas a relatora decidiu passar por cima da agenda da comissão e colocar o assunto em discussão assim mesmo. Eles têm pressa em aprovar esse PLC, mas nós podemos orar e agir rapidamente, fazendo a nossa parte!

Disseram-me que o manifesto tem melhor efeito através de FAX e telefonemas para o gabinete dos Senadores. Use todos os recursos, mas quem tiver FAX, utilize-o!

No final desta mensagem tem um modelo de carta e os endereços dos Senadores para o envio de mensagem.

1. Envie e-mails;

2. Coloque no final do modelo da carta o seu Nome, Cidade, União Federativa e RG ou Título Eleitoral;

2. Escreva para o Senador do seu Estado. Deixe claro que você está atento ao trabalho dele no Senado. Ele depende do seu voto, afinal foi você quem o colocou no Senado. Ele está ali para aprovar as leis do seu interesse e não para trabalhar contra você!

3. Ligue para o ALÔ SENADO: 0800 61 22 11 e peça para todos os Senadores votarem CONTRA o PLC 122/2006.

Que Deus nos abençoe!

Carlos Garcia Costa

Ichthus/Urro do Leão

http://www.urrodoleao.com.br

E-MAILS:

1) E-mail da Comissão de Direitos Humanos:

sqm@senado.gov.br

2) E-mails dos senadores da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (selecione o grupo de e-mails e envie sua mensagem):

flavioarns@senador.gov.br, fatima.cleide@senadora.gov.br, paulopaim@senador.gov.br, patricia@senadora.gov.br, inacioarruda@senador.gov.br, leomar@senador.gov.br, geraldo.mesquita@senador.gov.br, paulo.duque@senador.gov.br, wellington.salgado@senador.gov.br, gilvamborges@senador.gov.br, demostenes.torres@senador.gov.br, eliseuresende@senador.gov.br, romeu.tuma@senador.gov.br, jonaspinheiro@senador.gov.br, arthur.virgilio@senador.gov.br, cicero.lucena@senador.gov.br, papaleo@senador.gov.br, cristovam@senador.gov.br, josenery@senador.gov.br

3) E-mails dos Demais Senadores (selecione e envie cada grupo com 15 e-mails por vez):

antval@senador.gov.br, adelmir.santana@senador.gov.br, alfredon@senador.gov.br, almeida.lima@senador.gov.br, augusto.botelho@senador.gov.br, cesarborges@senador.gov.br, delcidio.amaral@senador.gov.br, crivella@senador.gov.br, marco.maciel@senador.gov.br, edison.lobao@senador.gov.br, ecafeteira@senador.gov.br, eduardo.azeredo@senador.gov.br, eduardo.suplicy@senador.gov.br, efraim.morais@senador.gov.br

expedito.junior@senador.gov.br, fernando.collor@senador.gov.br, flexaribeiro@senador.gov.br, francisco.dornelles@senador.gov.br, garibaldi.alves@senador.gov.br, gerson.camata@senador.gov.br, heraclito.fortes@senador.gov.br, ideli.salvatti@senadora.gov.br, j.v.claudino@senador.gov.br, joaquim.roriz@senador.gov.br, jarbas.vasconcelos@senador.gov.br, jayme.campos@senador.gov.br, jefperes@senador.gov.br, joaodurval@senador.gov.br, joaoribeiro@senador.gov.br

jtenorio@senador.gov.br, jose.agripino@senador.gov.br, jose.maranhao@senador.gov.br, katia.abreu@senadora.gov.br, lucia.vania@senadora.gov.br, magnomalta@senador.gov.br, maosanta@senador.gov.br, marconi.perillo@senador.gov.br, maria.carmo@senadora.gov.br, mario.couto@senador.gov.br, marisa.serrano@senadora.gov.br, mercadante@senador.gov.br, alvarodias@senador.gov.br, mozarildo@senador.gov.br, neutodeconto@senador.gov.br

osmardias@senador.gov.br, simon@senador.gov.br, raimundocolombo@senador.gov.br, renan.calheiros@senador.gov.br, renatoc@senador.gov.br, romero.juca@senador.gov.br, rosalba.ciarlini@senadora.gov.br, roseana.sarney@senadora.gov.br, sergio.guerra@senador.gov.br, sarney@senador.gov.br, sergio.zambiasi@senador.gov.br, serys@senadora.gov.br, siba@senador.gov.br, tasso.jereissati@senador.gov.br, tiao.viana@senador.gov.br, valdir.raupp@senador.gov.br, valterpereira@senador.gov.br

MODELO DE CARTA:

Excelentíssimos Senhores Senadores,

Assunto: Manifesto Contra o PLC nº 122, de 2006

Solicito à Vossas Excelências a reprovação ao Projeto de Lei em epígrafe que será votado no dia 24 de outubro de 2007, quarta-feira.

O PLC 122/2006, se convertido em lei, conforme compromisso da Presidência da República, acarretará uma convulsão social sem precedentes em nosso país.

Eis que o projeto de lei em discussão não admite a diversidade de pensamento e, nem no foro mais íntimo, de crença.

A orientação sexual de um indivíduo não se enquadra no conceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional, a menos que se queira, por força de lei, impingí-la como tal à população brasileira. A condição homossexual não é raça, nem tampouco a bissexual é etnia ou o travestimo é religião.

Com tal legislação o Brasil estaria instituindo o chamado delito de opinião, o que é inadmissível. É a face mais horrenda do totalitarismo: o Estado decretando uma suposta “verdade absoluta” – e qualquer proibição ou oposição a esse corolário de “verdade” (é passível de prisão), nada importando que a oposição seja de cunho moral, ético, filosófico ou religioso.

A proposta pretende punir com 2 (dois) a 5 (cinco) anos de reclusão aquele que ousar proibir ou impedir a prática pública de um ato obsceno (“manifestação de afetividade”) (art. 7°), fato já previsto aos heterossexuais no Código Penal com penas menores.

Na mesma pena incorrerá a dona-de-casa que dispensar a babá que cuida de suas crianças após descobrir que ela é lésbica (art. 4°).

A conduta de um sacerdote que, em uma homilia, tratar do assunto condenando poderá ser enquadrado no artigo 8°, (“ação […] constrangedora […] de ordem moral, ética, filosófica ou psicológica”).

A punição para o reitor de um seminário que não admitir o ingresso de um aluno é prevista pena para 3(três) a 5(cinco) anos de reclusão (art. 5°)

No entanto, as conseqüências acima não são o principal motivo pelo qual o PLC 122/2006 deve ser rejeitado. O cerne da questão não está nas perseguições que hão de vir caso a proposta seja convertida em lei.

O motivo central pelo qual esse projeto deve ser totalmente rejeitado é pela flagrante antijuridicidade e má técnica legislativa descrita a seguir:

A prática do homossexualismo não acrescenta direitos a ninguém. Se um homossexual praticante tem algum direito, conserva-o apesar de ser homossexual, e não por ser homossexual. O toxicônomo, o bêbado e a prostituta têm direitos como pessoas, mas não por causa da toxicomania, embriaguez ou prostituição. Mas pelo simples fatos de serem pessoas!

O que direciona a governabilidade do povo brasileiro é a isonomia, ou seja todos são governados pela mesma lei, sendo, portanto iguais perante ela, princípio este assegurado pela Lei Maior. Os direitos que devem ser garantidos aos “gêneros” são aqueles que devem ser garantidos a todas as pessoas; e não, criar super direitos para tal ou qual grupo de pessoas, tornando-a imune a críticas.

Pelo exposto, e por tudo o mais do que foi relatado nosso parecer é pela inconstitucionalidade, antijuridicidade e má técnica legislativa, sem análise do mérito.

Agradeço.

Coloque aqui seu Nome

Cidade e Estado (UF)

RG ou Titulo Eleitoral (opcional)

Site: http://www.urrodoleao.com.br

Divulgação: http://www.juliosevero.com.br

Quem mexeu no nosso sal?

Por: Valmir Nascimento Milomem

“Há muito tempo, em um país muito distante, quando as coisas eram diferentes, havia quatro pequenos personagens que corriam através de um labirinto à procura de queijo para alimentá-los e fazê-los felizes. Dois eram ratos, chamados Sniff e Scurry, e dois eram duendes – seres tão pequenos quanto os ratos, mas que se pareciam com as pessoas de hoje, e agiam como elas. Seus nomes eram Hem e Haw”.

Assim começa a estória do livro “Quem mexeu no meu queijo”, de Spencer Johnson. Uma paródia interessante que conta as aventuras de dois ratinhos e dois duendes que vivem dentro de um labirinto à procura de queijo. É uma estória sobre mudança de comportamento. Uma metáfora acerca de como devemos enfrentar as mutações que ocorrem em nossas vidas.

Todos os dias os ratinhos e os duendes procuravam no labirinto o seu próprio queijo especial. Sniff e Scurry, por serem roedores, utilizavam somente seus instintos animalescos. Hem e Haw, usavam seus cérebros, cheios de muitas crenças, para procurar um tipo de queijo diferente, que os tornariam bem sucedidos. Algo, porém, eles tinham em comum: todas as manhãs vestiam roupas de correr e tênis, saíam de suas pequenas casas e corriam para o labirinto à procura de seus queijos favoritos.

Até que determinado dia, no Posto C do Labirinto, Sniff e Scurry, Hem e Haw, cada dupla usando o seu próprio método, encontram o maior e melhor queijo de suas vidas. Todos estavam felizes.

Ante tal descoberta os duentes ficaram fascinados. Haviam resolvido o problema de suas vidas. Mudaram-se para próximo do Posto C para ficarem mais próximos do seu precioso queijo. Então, pouco a pouco a confiança de Hem e Haw se transformou em arrogância, começaram a se sentir tranqüilos que nem perceberam o estava acontecendo.

Snif e Scurry, por outro lado, mantinham a sua rotina; chegavam cedo todas as manhãs, farejavam o queijo, arranhavam-no e corriam pelo Posto C, inspecionando a área para saber se tinha havido mudanças desde o dia anterior. Depois, então, sentavam-se para roer o queijo.

Uma certa manhã, entretanto, ao chegarem no Posto C descobrem que o queijo havia desaparecido. Os ratinhos, então, mais que rapidamente pegam seus tênis e partem em busca de um novo queijo. Enquanto Hem e Haw ficam atônitos e desesperados. Não estavam preparados para o havia acontecido. Quem mexeu no nosso queijo? Eles indagam.

Após isso, inicia-se o dilema dos duentes. Aguardam o queijo desaparecido ou partem labirinto à dentro em busca de um novo queijo? Mantêm-se no Posto C ou procuram novas descobertas? O resultado da estória são grandes lições para a vida pessoal e profissional ante as mudanças perpetradas no nosso dia a dia.

Mexeram no sabor do nosso sal

Refletindo acerca desta parábola que quase sempre é aplicada à vida empresarial, observo que ela também possui grandes lições para a vida cristã. Basta simplesmente mudarmos queijo por sal, duendes por cristãos (eis aí algo interessante, muitos crentes preferem ser duendes), labirinto pelo mundo e tirarmos o ratinhos. Pronto, temos um ótimo cenário para meditar.

Por que sal? Ora, foi Jesus quem disse: “Vós sois o sal da terra” Mt. 3:13. Quando Cristo identificou os discípulos ao sal, ele estava fazendo referência à característica de preservação que o sal possui; à sua natureza de conservação e de não permitir que os alimentos se deteriorem.

Quando digo, portanto, que mexeram no sal ou no sabor do sal da igreja cristã, faço referência ao fato dela ter perdido parte da sua identidade; uma alusão à alteração ocorrida ao longos de anos, décadas e séculos no cerne do pensamento cristão; uma ilustração da mudança de padrões na abordagem e consideração do evangelho compreendido entre o período apostólico até os dias atuais; uma mutação prejudicial em relação às verdades bíblicas adotada por alguns templos religiosos.

Uma observação, porém, deve ser feita. Quando se diz que a igreja perdeu o sabor do sal, não se faz referência, é óbvio, à Igreja santa e invisível, noiva do cordeiro, aquela que irá morar nas mansões celestiais. Esta, aliás, nunca perderá o seu foco; de maneira alguma perderá o seu sabor.

A igreja insossa e desprovida de tempero, ao revés, constitui-se de pessoas desvirtuadas e indiferentes à Palavra de Deus. É, na realidade, a igreja de Laodicéia que se infiltra em várias denominações assim chamadas evangélicas, dizendo “rica sou” e agindo como Hem e Haw ao tornarem-se arrogantes. É aquele tipo de igreja que perdeu a simplicidade do evangelho, não possui mais comunhão nem partir do pão, muito menos persevera na oração. É a igreja que não pesca almas, não ensina às nações, nem gosta de tomar o fardo de Cristo.

Mas engana-se quem imagina que o sal é perdido de uma hora outra, ou da noite para o dia. Pelo contrário, o sabor perde-se aos poucos. Inicialmente, assim como ocorreu na estória em comento, a igreja não vigia e se acomoda, fica tão deslumbrada com o sal que possui, que acaba deixando de lado o seu principal papel na terra, que é exatamente temperar o mundo e preservá-lo da corrupção, ou iluminá-lo, preservando-o da escuridão.

Em seguida, a igreja não observa o que acontece ao derredor. Fica tão ligada com as suas próprias formalidades eclesiásticas/religiosas/litúrgicas que esquece das almas que perecem frente às portas dos templos. Quando ela detém-se em assuntos burocráticos e planejamentos festivos esquecendo-se da pregação do evangelho. Quando se envolve em questões políticas e humanas deixando de lado a anunciação das boas novas.

Se no livro de Johnson a idéia é que as pessoas acompanhem as mudanças sociais e profissionais, no caso da Igreja a idéia é exatamente o oposto, qual seja: não deixar que as mudanças atuais e mundanas afetem e prejudiquem o papel da igreja. Eis aí, então, o grande papel dos cristãos na mundo atual, não permitir que os fundamentos que se transtornam dia após dia adentrem aos templos e desvirtue a Palavra de Deus.

Uma rápida olhadela no túnel do tempo é suficiente para notarmos que definitivamente a igreja têm perdido o sabor do sal. Basta retornarmos àquela época em que os templos não haviam “ar condicionado”, porém viviam repletos de pessoas para ouvirem acerca da Salvação. Àquela época em que não haviam automóveis mas que todavia os cristãos caminhavam distâncias infindáveis sedentos de por mais de Deus. Um contexto em que se a pessoa se dissesse cristã seria jogadas aos leões para serem devoradas, mas a fé era tão autêntica que eles enfrentavam bravamente esses enormes desafios. Um tempo em que as perseguições contra os seguidores de Jesus eram tão implacáveis e torturantes que somente quem possuía o sabor do sal poderia dizer: Jesus Cristo é o Senhor!

É, de fato. Sejamos bem francos. Mexeram no sal da igreja! Tiraram o seu sabor! Mas a pergunta a ser feita não é “Quem mexeu no nosso sal”, mas sim, como fazermos para resgatarmos o sabor do sal perdido?

Frente a essa situação a temos duas opções: Ou fazemos como os ratinhos e rapidamente saímos em busca do sal perdido, ou agimos como os duendes, e ficamos a nos perguntar: Quem mexeu no meu queijo?

 

 

Um trocadilho para Deus

Cristianismo velho em um mundo novo ou mundo velho em um cristianismo novo?

por Valmir Nascimento

Charles Colson referindo-se à igreja da atualidade disse que “o inimigo está entre nós. Ele se infiltrou de tal modo em nossas linhas que muitos simplesmente já não conseguem distinguir entre o amigo e o inimigo, entre a verdade e a heresia”. Continuar lendo “Um trocadilho para Deus”