Cisne negro: porque há tantos crentes loucos?


Assisti ao filme Cisne Negro. Confesso que o longa não me encantou, apesar da atuação extraordinária de Natalie Portman (que inclusive levou o Oscar de melhor atriz de 2011). Mas, algumas reflexões me vieram à mente após o fim.

A trama gira em torno de Nina Sayers (Natalie Portman), uma bailarina que se vê diante da chance de interpretar o papel principal em uma montagem de “O Lago dos Cisnes”, de Piotr Ilitch Tchaikovsky. Nina é perfeita tecnicamente, o que a qualifica para interpretar o cisne branco, porém, não apresenta a espontaneidade necessária para vivenciar o cisne negro, que exige uma postura de sedução e desprendimento.

Diante desse desafio de superação, insegura e sem amigos, a bailarina ingressa numa espiral psicótica de busca pela perfeição e na tentativa de mostrar para seu coreógrafo que é capaz de expor seu lado mais selvagem, culminando então numa indefinição entre o sonho e a realidade e uma duplicidade de comportamento. Desse modo, seu lado negro passa a se sobrepor sem que ela possa controlá-lo.

A reflexão que faço sobre o filme é exatamente sobre a duplicidade de personalidade de Nina: o cisne branco e o negro que se enfrentam. De um lado, a perfeição, o controle e a pureza e do outro a sedução e a sensualidade.

Paulo falou de certa luta no âmago do nosso ser. Ele dizia:

“Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; com efeito o querer o bem está em mim, mas o efetuá-lo não está.Pois não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse pratico. Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim”. (Rm 7.18-20).

Essa é a batalha interior do cristão; entre o homem natural e o espiritual; entre o cisne branco e o cisne negro.

Naturalmente, essa luta por si só não poderia levar o cristão a uma dupla personalidade psicótica. Isso porque, conscientes de nossas falhas deveríamos viver pela graça de Cristo, aquele que perdoa nossas falhas e nos afasta do erro.

Entretanto, de forma inevitável muitos ingressam na mesma espiral lunática de Nina por uma razão mais ou menos simples: buscam a perfeição sozinhas tendo o legalismo como parâmetro. E quando percebem que são incapazes de agir unicamente como o cisne branco, por sua própria força, enveredam-se para o outro lado obscuro.

Mas, o que é pior: apresentam-se como cisnes brancos na igreja, porém, agindo como cisnes negros em outros lugares.

Isso me faz lembrar a existência de muitos crentes em tratamento em manicômios. Pessoas que se enveredaram para a loucura, psicose, esquizofrenia etc. Sem desprezar os diversos fatores que podem levar a tal situação, penso que um dos elementos que pode provocar esse desvio mental é exatamente a postura de busca da perfeição por meio do legalismo. Afinal, quando a pessoa observa o elevado padrão moral do cristianismo e, desprezando a graça de Deus, percebe que não consegue atingi-lo, se vê num beco sem saída; quando então a mente entra em colapso.

Guardadas as devidas proporções, o coreografo da bailarina disse algo que merece consideração: “Perfeição não é só sobre controle; é também saber abandonar-se” . Para nós: Perfeição não é só sobre controle; é também saber abandonar-se nos braços e na graça de Deus”.

Por Valmir Nascimento

Anúncios

9 comentários em “Cisne negro: porque há tantos crentes loucos?

  1. O cisne branco e o cisne negro habitam a nossa carne. Como diz o poeta Lenine, “uma vontade bigorna e um desejo martelo habitam o peito”, de modo que só a graca de Deus (maior, bem maior que o meu pecado) pode nos proteger dos efetos deste paradoxo.

    Graca e paz,

    Leonardo

  2. Exato, Léo!

    Enquanto acharmos que podemos vencer essa luta sozinhos, sentiremos o gosto amargo do fracasso e da frustração espiritual.

    abç

  3. A busca pela perfeição não leva à loucura, ela é a própria loucura. Da mesma forma, a busca pela perfeição espiritual é a loucura, ou seja, é muito evidente em manicômios a correlação entre religiosidade e insanidade. Não podemos dizer que todos religiosos sejam loucos, mas o radicalismo e fanatismo na religião com certeza é sinal de loucura e existem muitos níveis de insanidade. Qualquer exagero, seja religioso, profissional, esportivo, etc… é sinal de desequilíbrio. A vida não é tão complexa, seguir os dogmas á risca é a melhor forma de se esconder do mundo, fingindo estar acima da média. A cultura, a ética, o bom senso são as melhores ferramentas para se lidar com nossos 2 lados, e os 2 são necessários, não adianta fingir que só temos o branco.

  4. Guedes,

    Concordo com o que você escreveu, notadamente que qualquer exagero, seja religioso (OU ANTIRELIGIOOSO), profissional, esportivo, etc… é sinal de desequilíbrio.

    Abç

  5. muito pertinente o texto. Pois muitos estao se afastando e nao se deixando se reconciliar pela ilusao ou cobrança da perfeição. Só lembrando que o Senhor nuncq nos cobrou ou exigiu a perfeição. Quanto a santidade já é outra coisa… Essa sim devemos buscar! Muitos por causa do perfeccionismo acham que são imperdoaveis dante de Deus… Pois confundem o perdao de Deus pra ele com o seu proprio. Ou seja, nao se perdoam e acham que Deus age assim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s